Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A internet pode ser uma merda

por Bad Girl, em 08.04.10

O problema da internet, se me perguntarem a mim, é o facto de qualquer burgesso poder dar a sua opinião sobre qualquer assunto. E eu. Eu também posso dar a minha opinião sobre qualquer assunto. Sendo que a única diferença entre mim e a Katyzinha, por exemplo, é o facto de eu não ser uma abantesma. E também não tenho o sotaque tão cerrado. Mas de loiro natural, por exemplo, somos uma e a mesma. Mas que uma miúda mal formada se ponha em frente a uma câmara e dê a sua opinião sobre Àlle Stáres e calças coladas ao pacote é coisa para fazer rir, se não virmos o vídeo da dita na escola e não pensarmos que há um clube de fãs de uma criatura animalesca que se comporta como uma selvagem numa sala de aula. Mas a tal da Katyzinha não é uma ignorante militante. O que eu li hoje num blogue (o único link que vou colocar aqui é o do blogue do maradona, que me fez chegar até lá), escrito por uma criatura certamente absurda e tacanha, ignorante militante número um do partido que representa, mete a Katyzinha a um canto. Se não, vejamos: o ignóbil Pedro Arroja, que eu não conhecia (e não perdi nada com isso) até me ter sido "apresentado" hoje, escreve algo como isto:

 

" É diferente com um homossexual. Depois dele, não há nada. Não faz diferença nenhuma que o mundo morra com ele. Os homossexuais são, por isso, pessoas potencialmente violentas, os destruidores por excelência." Mas fica por aqui este vomitado de imbecilidade e discriminação que o autor considera digno de ser publicado? Não, porque se há coisa que os ignorantes militantes gostam é de se masturbar com as suas ideias. Mas a pensar em mulheres. Que homens a sério é assim. Vamos então ver mais do mesmo: "Voltando aos homossexuais. Uma comunidade de homossexuais é uma comunidade sempre pronta a explodir em violência. A violência em comunidades homossexuais é sempre incomparavelmente maior do que em comunidades heterossexuais.". Óbvio que sim. Nem que para isso, o Pedro - pausa para regurgitar - Arroja tenha de saltar uns capítulos da história. Assim muito en passant, vamos ver alguns exemplos: George W. Bush - gay. Hitler - gay. Saddam Hussein - gay. Napoleão - gay. Mussolini - gay. Nicolau Ceausescu - gay. O próprio Nero, toda a gente sabe, era um gay de todo o tamanho. Afinal, o Arroja tem razão: não há violência como na comunidade gay. Que toda a gente sabe está na origem, por exemplo, do Ku Klux Klan... Em não tendo um nível de tolerância do tamanho de um caroço de uma cereja, talvez este senhor (vómito, vómito), percebesse o óbvio: que gay é "feliz" em estrangeiro, e que os homossexuais que ele tanto abomina (desconfio sempre destes "ódios"...) não querem guerras mais ou menos do que os heterossexuais. São humanos. Por muito que custe aos Arrojas deste mundo, são de carne e osso, como ele. Têm sentimentos, ideais, vontades, amores e ódio. E são, muito provavelmente, filhos de heterossexuais. Alguns deles "homens a sério". I wonder, será que o tal senhor tem filhos?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Por falar em diálogos "surdos"

por Bad Girl, em 07.04.10

Ele - Queres ir jantar fora?

Ela - Pode ser.

Ele - Onde queres ir?

Ela - Não foste tu a sugerir? Escolhe...

Ele - Está bem. O que é que te apetece?

Ela - Qualquer coisa ("nada em especial" também é muito usado). Surpreende-me (aka "estás f*did*").

Ele - Está bem. Então já sei. Ainda te vais arranjar?

Ela - Não estou bem?

Ele - Estás óptima. Mas como queres sempre arranjar-te quando vamos sair.

Ela - Sair? Pensei que só íamos jantar. Mas sim, vou-me arranjar.

Ele - Demoras muito?

Ela - O tempo que for preciso. Não posso sair contigo nesta figura. Não te vou deixar ficar mal.

(Nesta altura, meio caldo está entornado. Ela está uma pilha de nervos e ele está arrependido de ter sugerido o jantar fora.)

(Dez minutos)

(Vinte minutos)

(Trinta minutos)

(Regressa)

Ele - Estás pronta?

Ela - Não te pareço pronta?

Ele - Sim, estás óptima. Vamos?

Ela - Hum... hum...

Chegam ao restaurante.

 - É aqui que vamos jantar?

 - Sim.

 - Se eu soubesse que era para vir aqui não tinha estado a arranjar-me.

 - Mas tu adoras sushi.

 - Sim, mas hoje não me apetecia.

 - Então diz lá o que é que te apetece.

 - Deixa. Sushi está bem. O carro já está estacionado e está.

 - Mas podemos ir a outro sítio.

 - Deixa lá. Com esta conversa toda também já é tarde. Não dá para ir a outro sítio.

 

E minhas amigas, quem nunca fez uma destas, que atire a primeira pedra.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Virtudes públicas, vícios privados

por Bad Girl, em 06.04.10

Que o marido se meta com ninfetas da idade da filha não faz confusão a Filomena Pinto da Costa. O facto de estas ninfetas aparecerem nas revistas como amantes oficiais (parece que agora se usa) do seu (para todos os efeitos) marido também não arranca uma reacção à dita senhora. O que parece fod£r-lhe o juízo é que as moças falem para os jornais. Ele é um velho que não pode estar bom da cabeça para se meter com put@s depois da pancada que levou. Ela não é melhor que ele, porque se cala com carros. Começa a preocupar-me o facto de eu me sentir mais envergonhada que o velho senil, a put@ pós-adolescente e a senhora "traída". Juntos. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

      

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

É neste post que eu peço aos meus dois leitores cuja entidade patronal é este "jornal" que passem à frente.

A sério, vá, larguem lá isto para eu poder estar à vontade.

Já está?

Avancemos, então...

 

O "jornal" 24 horas encontrou o menino que chorou de alegria no jogo do Benfica. Verdade. Quais cães pisteiros atrás de um desaparecido, o "jornal" 24 horas carrega nos seus ombros o peso de uma reportagem histórica: houve um menino que chorou no jogo do Benfica, e eles encontraram-no!!!

Palmas, palmas!

 

Na próxima semana irá fazer capa deste "jornal" a D. Emília, que foi apanhada pelas câmaras da RTP a tirar as cuecas do meio do rabo, num directo da Praça da Alegria. Aguarda-se um relato comovido de um dia que, segundo a D. Emília, foi pleno de emoções.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Há gajas que só ao estalo.

por Bad Girl, em 05.04.10

Alessandra Ambrósio quer ter um rabo maior.

 

 

Xana, querida, passa lá em casa e tratamos da transferência. Nem é preciso pagares nada. Ofereço de boa vontade. Levas o que quiseres, que certamente ainda sobra o suficiente para mim.

Parvalhona. Há gente que não sabe o que diz.

Autoria e outros dados (tags, etc)

 Obrigada, Sam Mendes! Lindo!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Este blogue não faz PUB*

por Bad Girl, em 04.04.10

Já não é a primeira (nem a segunda, nem a terceira...) vez que recebo uns mailsmuito simpáticos de alguém que quer vender coisas. Nada a dizer, todos temos de fazer pela vida, uns vendem, outros compram (eu compro muito), parece que faz parte da economia de mercado, ou isso. Mas não é a mim, especificamente, que os autores dos mails querem vender coisas. É aos meus leitores (sim, a vocês os três). Ora contra isso nada também, todos sabemos que as coisas funcionam assim, e os blogues são espaços com visibilidade, e essas tretas todas que saberá quem tem uma noção (ainda que básica) de marketing. Agora o que me choca profundamente é que todos estes mails que tenho recebido ao longo das últimas semanas me peçam uma colaboração na divulgação de X ou Y, em regime assim de pro bono.

Oh meus amigos (eu, pé direito a bater insistentemente no chão e mão da cinta), este blogue chama-se "Bad Girls go Everywhere". Eu assino "Bad Girl". O meu nome no cabrão do Facebook, que acha "Bad Girl" mau, é "Menina Má". O que é que vos leva a pensar, assim de repente, que poderiam, eventualmente, apanhar-me num dia bom de: "Ora agora vou ali fazer um post todo catita sobre a marca X, que me pediu colaboração e eu, como ser querido e desprovido de interesses que sou, vou divulgar tudo...". Vocês bebem, é certo. Vamos lá ver se nos entendemos: se são instituições, que trabalham em regime solidário, e que representam causas com as quais me identifico, nem precisam de pedir duas vezes, estou nessa. Mas outros ganharem dinheiro às minhas custas? Estão absolutamente "xéxés", é o que é. Isto não é a Santa Casa e eu não sou uma menina simpática. Está a circular, que daqui não levam nada.

 

 

 

*de graça, pelo menos.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

Alguém viu o coelhinho da Páscoa?

por Bad Girl, em 04.04.10

Autoria e outros dados (tags, etc)

Carta aberta à minha entidade patronal

por Bad Girl, em 02.04.10

Cara Entidade Patronal (assim, em maiúsculas, para dar graxa),

Dirijo-me a V. Ex.as para partilhar parte da minha vida pessoal, algo que não me sentia à vontade para fazer até se terem reunido determinadas condições.

É com esperança numa receptividade da v. parte, com paralelo à do partido que governa este país, que abro o coração a V. Ex.as, para informar que não gosto de viver em Portugal. É frio. É pequeno. Fica aqui neste canto da Europa, e não dá para ir de carro rapidinho a nenhum lado, excepto a Espanha, com o digno objectivo de comprar caramelos. Tenho, obviamente, uma tez demasiado branca para gostar do que vejo ao espelho logo pela manhã. Vivia com algum pesar, pois não me apetece andar à procura de trabalho noutro sítio, até ter encontrado a solução: de Outubro a Março viverei em Cabo Verde, ilha conhecida pela sua temperatura estável durante todo o ano e, entre Abril e Setembro voarei rumo à civilização e, caso queiram encontrar-me, é ir a Londres, por favor. Perguntam-se V. Ex.as, a esta altura da minha missiva, se pretendo com esta demitir-me. Obviamente, não. Tenho consciência que sou uma peça com demasiada importância na organização para "abandonar o barco", e tenho uma participação não só extremamente activa como de inegável importância para o bom funcionamento da mesma. Pretendo, com esta explicação, preparar-vos para a possibilidade de verem aumentado de sobremaneira o meu mapa de ajudas de custo mensal. Obviamente que não dispenso o carro de serviço nem o pagamento do hotel aqui ao lado. Como haveria eu de fazer quando estivesse a prestar este, que é um serviço fulcral nesta empresa? As boas notícias, a haver, é que dispenso os fins-de-semana nesse hotel, e que as portagens e gasolina consumidas nas minhas idas semanais ao El Corte Inglesde Vigo (onde ainda é tudo mais barato) acabaram. Contudo, sentirão um incremento no item "viagens de avião". E em parques. Não pretendo ter de apanhar um táxi nas minhas idas e vindas do aeroporto. Se, por acaso, vos estiver a passar pela ideia que nos meses de Verão estas despesas serão mais baixas, porque estão a imaginar que eu - moi même - irei entrar num voo da Ryanair e partilhá-lo com o povo, desenganem-se. Certamente querem uma funcionária satisfeita e feliz, para efeitos de aumento de produtividade. Como é do conhecimento geral, a felicidade não se atinge numa low cost. Aliviarei algum do peso da viagem fazendo a mesma em primeira classe. Creio que, por esta altura terão apenas uma dúvida: se estou insatisfeita com a localização geográfica de Portugal, porque é que vou, na verdade, mudar-me para duas ilhas? Peço que relevem o facto tendo em conta que seria bem pior que, em vez desta pequena inverdade, eu tivesse mentido sobre a minha área de residência com o objectivo único de agarrar este emprego.

Subscrevo-me com a mais elevada consideração,

 

Bad Girl

 

(Imaginando-se que Inês de Medeiros trabalhava numa empresa privada. E que tinha uma presença essencial na mesma).

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 5/5



Mais sobre mim

foto do autor


Ao contrário da maior parte das pessoas, não vou pôr-me com falsas modéstias: sou gira, sou inteligente, sou interessante. Mas também sou Má... como todas as mulheres, não é? Como perceberão com as leituras, e como este é um reflexo de mim, naturalmente tenho um blog bipolar!

 

Algo a dizer? BAD MAIL

badgirlsgoeverywhere (arroba) gmail.com

Bad face

Bad Girls go Everywhere - Blog

Promote your Page too

Importa lembrar, sempre


www.freetibet.org


(nem sempre consigo creditá-las. Serão retiradas se alguém se sentir lesado)

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

(de borla, pelo menos...)

From Geek in Pink




Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.