Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




De Asa Butterfield já se esperava o brilhantismo. Depois de o ver em "O rapaz do pijama às riscas" era óbvio que estávamos perante um daqueles miúdos que mergulharam num poço de talento e, qual Obélix, regressaram à tona com uma força extraordinária. Miúdos que, muito possivelmente, vivem numa disciplina e rigor impróprios para a idade. Que dispensam grande parte da infância para se dedicar a um mundo que os devora com a mesma facilidade com que poderá cuspi-los quando perderem a graça e para competirem num mundo de adolescentes e jovens adultos de corpos esculturais, sorrisos alinhados e maçãs do rosto salientes. E é aí que toda a graça infantil que os distinguiu no meio da multidão deixa de lhes servir, acabando até por ser contraproducente. Ontem vi "Extremely loud and incredibly close". O filme, quanto a mim, não é nada de especial. Tem um argumento razoável, actores de talento constante e confiável (até a Max Von Sydow se ousou "roubar" a voz) e uma brilhante excepção: Thomas Horn. Claro que haverá um director de casting neste mundo (bem haja!) que olhou para este miúdo e achou que um filme inteiro podia respirar do seu talento, desconhecido até agora. Que actores consagrados, oscarizados e celebrados podiam respirar ao ritmo dele. E é assim que se consegue um filme que nos suspende a respiração de quando em vez, que nos enche de vontade de dar um par de açoites ao miúdo ao mesmo tempo que nos apercebemos que o que queremos é dar-lhe colo, a apreensão num sopro de talento atrás do outro. Compreendo que a Academia não possa nomear Thomas Horn ou Asa Butterfield. São apenas miúdos, não estão preparados para serem assoberbados pela competição nem têm créditos firmados. E nestes dois casos os estúdios não podem fazer o "truque" do costume: arranjar forma de fazer a criança passar para papel secundário (Hailee Steinfield, True Grit, ano passado) para lhes aumentar as possibilidades numa competição de "segunda linha". Estes dois filmes vivem de dois miúdos, e não há volta possível. A história não ajuda Hollywood, mas ajuda-os a suportar esta estratégia. Não tem sido brilhante a vida dos meninos prodígio de Hollywood. É como diz uma dessas crianças, agora com 29 anos: "Anyone who hits the top as a child star has no place to go but down" (Linda Blair, nomeada para o Oscar em 1973). Mas lá que qualquer um deles merecia, pelo menos, a nomeação, lá isso merecia. 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Ao contrário da maior parte das pessoas, não vou pôr-me com falsas modéstias: sou gira, sou inteligente, sou interessante. Mas também sou Má... como todas as mulheres, não é? Como perceberão com as leituras, e como este é um reflexo de mim, naturalmente tenho um blog bipolar!

 

Algo a dizer? BAD MAIL

badgirlsgoeverywhere (arroba) gmail.com

Bad face

Bad Girls go Everywhere - Blog

Promote your Page too

Importa lembrar, sempre


www.freetibet.org


(nem sempre consigo creditá-las. Serão retiradas se alguém se sentir lesado)

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

(de borla, pelo menos...)

From Geek in Pink




Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.