Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




As pessoínhas

por Bad Girl, em 06.06.12

Hoje saí com a cadela. Fomos dar um pequeno passeio pelas redondezas. Pequeno porque, apesar de tentar aplicar todos os truques de passeio explicados por Cesar Millan sinto que, a precisar do braço por mais alguns anos, os passeios não podem ser assim coisas muito grandes.

Embora eu sonhe acordada com um buldogue francês, digo-vos (ainda que me assuma como suspeita e parcial neste caso), que o raio da cadela é das coisas mais bonitas que por aqui passeia e que pelo menos uma em cada três pessoas, crescidas ou pequenas, sentem o impulso de lhe passar a mão pelo pêlo enquanto justificam o "abuso" com um "É mesmo igual ao Max, da TVI". E limpinha que ela só, só não vos mostro as toalhitas usadas porque ela, tendencialmente, as come. Ora esclarecida que está esta parte, conto o final do passeio: uma criaturinha pequena aponta para ela e diz:

 - Morde?

Eu respondi, pela quinquagésima vez naquele passeio:

 - Não, não morde.

 - Mas ferra!

(Não perguntem. Eu também acho que o estado da educação no país não é dos melhores)

 - Não, não ferra.

Vai daí, estava o miúdo de mão já esticada para fazer festas à cadela quando, a correr lá de longe vem uma senhora loira (se bem que com umas enormes raízes a puxar para o preto), com as mamas a saltar ferozmente dentro de um decote demasiado ousado e, conseguindo não cair naqueles saltos brancos, grita:

 - Não mexas no cão!

O puto assustou-se, eu olhei (incrédula) e ela continuou a correr. Tivesse eu processado a coisa como devia e teria percebido que tinha acontecido ali um milagre: a vaca gaja senhora conseguiu que nenhuma das mamas (pareciam ser aí umas quinze!) saísse do top. Quase em cima de nós, voltou a gritar:

 - Não mexas no cão. Os cães têm doenças!

 

É agora a melhor altura para informar que esta que vos escreve é hoje uma pessoa mais serena. Muito mais calma e ponderada. Esta que vos escreve hoje não respondeu, como poderia ter feito no passado:

 - Eu é que não deixava que o seu filho tocasse na minha cadela!

Ou então:

 - Antes ter doenças do que parecer uma puta meretriz!

Até porque isso ia apenas ofender/ chocar a criança que, coitadinha, só peca por não saber o que são sinónimos.

Como estou mais calma, um autêntico poço de serenidade, olhei para a senhora, de cadela em riste (dá tanto jeito), e lá lhe disse:

 - Pode haver aqui quem tenha doenças, mas não há-de ser a cadela. Não tem doenças e, pelo que vejo, tem o pêlo mais bem tratado.

 

Mas porque é que aquela vacarrona vem aos gritos dizer que os cães têm doenças? Eu percebo a finalidade: evitar que o puto seja mordido (ou pior!) ferrado por um cão qualquer. Compreendo que nenhuma mãe queira ver os filhos a mexer em tudo quanto é cão. A minha mãe não queria. Nunca lhe correu muito bem mas, felizmente (e com muita sorte, eu sei) , sempre me correu bem a mim. Mas é mesmo necessário dizer que os cães têm doenças? Que mais dirá aquela mãe ao puto? Que a masturbação provoca cegueira? Que o chocolate faz cair os dentes? Que roer as unhas provoca apendicite? E que tal a verdade? Dá muito trabalho, não é? Alguns cães, eventualmente, têm doenças. Tal como algumas pessoas têm cabelo pintado e usam tops sem ficarem a parecer prostitutas de beira de estrada. Só não era o caso, ali. 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Ao contrário da maior parte das pessoas, não vou pôr-me com falsas modéstias: sou gira, sou inteligente, sou interessante. Mas também sou Má... como todas as mulheres, não é? Como perceberão com as leituras, e como este é um reflexo de mim, naturalmente tenho um blog bipolar!

 

Algo a dizer? BAD MAIL

badgirlsgoeverywhere (arroba) gmail.com

Bad face

Bad Girls go Everywhere - Blog

Promote your Page too

Importa lembrar, sempre


www.freetibet.org


(nem sempre consigo creditá-las. Serão retiradas se alguém se sentir lesado)

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

(de borla, pelo menos...)

From Geek in Pink




Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.