Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Irra lá para o descontinho...

por Bad Girl, em 28.12.12

Se vocês trabalham numa empresa que produza bens ou que preste serviços, é possível que tenham de conviver directa ou indirectamente com gente que compre o fruto do vosso trabalho. Feita que está a introdução, sou a informar que as pessoas que compram (todas, a certo ponto da vida – isto inclui eu própria) me metem nojo (isto não será para todos, certamente não será para mim). As pessoas, genericamente, perderam a vergonha, o discernimento e a noção. As pessoas querem um “precinho”. Não importa a razão, as pessoas querem “o melhor preço”, já não aceitam pagar algo sem um desconto. Porque é a primeira vez. Ou porque já não é a primeira vez. Ou porque é a coisa da crise. O país transformou-se numa Marraquexe imensa, onde as pessoas acham que estão a ser levadas por lorpas. Que as empresas se lambuzam com margens brutais. As pessoas perderam o respeito pelo trabalho dos outros. A crise deixou-os com o barómetro da decência avariado. As pessoas não querem abdicar de coisas. Querem que as empresas lhes permitam pagar menos pelos mesmos produtos ou serviços. Se eu olho para uma coisa e acho que ela não vale aquilo? Olho. Se eu penso que irei esperar pelos saldos para comprar esta ou aquela coisa? Penso. E espero. Mas que me caia já aqui um raio em cima se sou uma pessoa capaz de ir para um restaurante pedir para me oferecerem a entrada, dado é a minha primeira vez ali (já vi), de ir para sites de produtos cosméticos alertar para o facto de que me devem mandar amostras pois eu só comprarei depois de experimentar (também já vi) ou de ir para o balcão de um hotel dizer que viram um preço não sei onde e que, por estarem ali, acham que merecem um desconto (não é que também já vi?). Há toda uma nova cultura de regateio que eu abomino. Pode ser feitio. Pode ser defeito, mas não só não sou cúmplice como abomino a atitude desrespeitosa com que as pessoas decidem tratar a vida e o trabalho dos outros. O desconto tornou-se uma (estranha) forma de vida. As pessoas não sabem viver sem ele. De tal forma que estão dispostas a ser chico-espertas, desavergonhadas e até mal-educadas. As pessoas dedicam-se à pedinchice porque acham que é um direito que lhes assiste. Reivindicam preços mais baixos “porque isto está mau”. Querem pagar menos “porque a crise está aí e os vendedores devem querer ficar com os stocks, com aqueles preços”. Já tínhamos um país com parasitas, que vivem de coisas que o trabalho não lhes traz. Também já havia muitos “mascarados”, a viver além das suas possibilidades, vítimas de um estatuto a que aspiram. Agora a eles juntam-se os pedinchões, os “cravas”, os que acham que o dinheiro de hoje, apesar de menos, terá de servir para pagar as mesmas coisas, e que cabe aos outros resolver-lhes este problema. Estou farta. Farta de dizer “não!” ao descontinho da treta. Farta, farta, farta. A maior crise que este país atravessa, já o disse enésimas vezes, é a de valores. E de decência, permito-me acrescentar.      

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Ao contrário da maior parte das pessoas, não vou pôr-me com falsas modéstias: sou gira, sou inteligente, sou interessante. Mas também sou Má... como todas as mulheres, não é? Como perceberão com as leituras, e como este é um reflexo de mim, naturalmente tenho um blog bipolar!

 

Algo a dizer? BAD MAIL

badgirlsgoeverywhere (arroba) gmail.com

Bad face

Bad Girls go Everywhere - Blog

Promote your Page too

Importa lembrar, sempre


www.freetibet.org


(nem sempre consigo creditá-las. Serão retiradas se alguém se sentir lesado)

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

(de borla, pelo menos...)

From Geek in Pink




Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.