Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Cancro 1on 1 - Lição II

por Bad Girl, em 03.02.14
O cabelo (ou a ausência dele)

Entre Agosto e Outubro, que foi o tempo que durou o meu tratamento com MTX, um dos meus confortos (além da ausência de sintomas secundários em geral) era a não queda do cabelo. De alguma forma, sentia que controlava isto tudo. Contava a quem eu queria, ninguém precisava de saber nada se eu não quisesse. Aos que me perguntavam, quase com o coração nas mãos, se eu estava bem, eu puxava o cabelo e, do alto da minha 'arrogância' dizia que sim, que a minha quimio era tão "fofinha" que nem sequer me caía o cabelo. E depois chegou aquele dia em Outubro, em que me informam que MTX já não resultava e eu, pessoa que tinha lido e relido tudo o que havia para ler e reler sobre protocolos para coriocarcinomas, sabia que atrás deste vinha o EMA-CO e que com ele viria a queda do cabelo. E perguntei à médica, acho que foi a única coisa que lhe perguntei, o resto eu já sabia, afinal já tinha lido e relido tudo o que havia para ler e reler sobre o tema. E ela respondeu laconicamente que podia cair, e poder não é cair de certeza, e eu tinha lido e relido que havia 70% de possibilidade de queda de cabelo e achei que podia muito bem estar ali nos 30% que sobravam (as contas não eram bem assim, mas na altura dava-me jeito). Ainda assim fui cortar o cabelo mais curto, era uma coisa que eu andava para fazer há algum tempo, e já estava a começar a encaixar que talvez - mas só talvez - me fosse cair o cabelo, mais vale prevenir. Ironicamente foi no exacto dia em que publiquei este post (http://girls-go.blogs.sapo.pt/819054.html), aliás, no exacto momento em que tirei esta foto que MQT me disse:
- Está a cair-te imenso cabelo.
E eu passei a mão pela cabeça (uma e outra vez) e, de cada vez que o fazia, saía meia dúzia de cabelos. E depois passou a uma dúzia, a duas dúzias, a incontável... Acordar era um martírio, sacudir almofadas, pijama, pentear para o lavatório... O cabelo era muito, mas era cada vez menos. O stress matinal era quase insuportável. Pentear-me era uma experiência dolorosa. Tirar qualquer peça de roupa, carregada de cabelos, era uma tortura. O cabelo nunca me saiu em tufos. Nem me caiu todo ao fim de um tratamento, como aconteceu à minha mãe e à minha amiga M. Não sei o que será menos mau. Não deve haver menos mau. É mau. É muito mau de qualquer maneira. É assumir ao mundo: tenho cancro. É perder um (aparente) controlo. A partir do momento em que o cabelo te cai, ficas à mercê dos olhos dos outros. E isso revolta. Não me venham com tangas, cabelo é só cabelo, volta a crescer, o importante é a cura. De acordo. Eu também disse isso. À minha mãe, à minha amiga M., à minha outra amiga M. E é verdade. Mas, digo-vos eu, que também são tretas. O cabelo é o cabelo, e dói muito ficar sem ele por isto. Claro que é um pequeno preço a pagar pela cura, mas é o maior pequeno preço que se paga pela cura. A minha opção, após um mês a sofrer com a queda, foi rapar. Numa sexta-feira saí do trabalho com um cabelo de rato de corte curto, na segunda-feira seguinte cheguei de longos cabelos fartos. A palavra correu sozinha, não tive de dar grandes explicações. Ainda hoje deve haver quem ache que eu fiz extensões. O cabelo cresce, é verdade, e este já começa a aparecer. Fraquito, inconstante, branco (Oh, meu Deus, estou velha!!!). Mas confirma-se: ele volta a crescer.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Ao contrário da maior parte das pessoas, não vou pôr-me com falsas modéstias: sou gira, sou inteligente, sou interessante. Mas também sou Má... como todas as mulheres, não é? Como perceberão com as leituras, e como este é um reflexo de mim, naturalmente tenho um blog bipolar!

 

Algo a dizer? BAD MAIL

badgirlsgoeverywhere (arroba) gmail.com

Bad face

Bad Girls go Everywhere - Blog

Promote your Page too

Importa lembrar, sempre


www.freetibet.org


(nem sempre consigo creditá-las. Serão retiradas se alguém se sentir lesado)

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

(de borla, pelo menos...)

From Geek in Pink




Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.