Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Este país não é para bichos

por Bad Girl, em 07.08.12

Nos idos de Março de 2009, aquando do convite para viver em pecado com MQT, Bad apresentou as suas condições:

 - Alguma coisa relacionada com espaço de arrumação de roupas/ sapatos e carteiras

 - Alguma coisa relacionada com arrumação da casa.

 - Algumas outras coisas relacionadas com outras coisas.

 - O cão. Era preciso adoptar um cão. Temente do tipo de cão que fosse coabitar com ele (eu gosto daqueles cães amarelos com pêlo palha de aço e relativamente feios, caso houvesse algum cão feio), MQT espeta-me com um pintas em casa. Como eu tenho uma coisa pelos underdogs, ele trouxe o cão mais subnutrido e mais miserável do canil. O bicho era um monte de ossos com uma pele branca com pintas pretas por cima. Com 2 anos, segundo o canil, pelo menos 4 anos, de acordo com a primeira veterinária e seguramente 6 anos, segundo a outra veterinária (é difícil ver a idade de um cão, quando a dentadura deste está completamente desfeita), o dálmata pesava 12 quilos. A expressão "magro como um cão" foi inventada quando olharam para ele. Não se sentava, magoado pelos ossos. Escondia-se quando ouvia barulhos. Vítima de maus tratos, odiava outros cães, pois a eles associava a luta pela sobrevivência. Adorava sacos de plástico, pois era esse o barulho que lhe garantia comida, quando vasculhava no lixo. Devido à sua excessiva magreza, a veterinária sugeriu-nos que o engordássemos antes de fazermos vacinação e chip.

Absolutamente psicotico, Sr. Pintas entrava em pânico ao som de foguetes ou de trovoada. A solução era fugir, quanto mais rápido e para mais longe, melhor. Estava nesta casa há menos de dois meses quando MQT partiu em viagem de trabalho e D. Cão furou por entre as grades para fugir. Corri a cidade, mandei e-mails de alerta, desesperei. No dia seguinte, a chamada do canil. D. Cão lá estava, a fazer amigos. Feliz (e um bocadinho zangada, é verdade), lá fui eu buscar o dito. Sem apelo nem agravo, o veterinário do canil não foi de modas: só dali saía de chip e vacina, fosse magro ou não. Paga a vacina, o chip e a noite de alojamento, lá me foram adiantando que havia de receber uma carta da Direcção Geral de Veterinária, shame on me, pessoa negligente, com notificação de processo de multa. A tal da missiva não se fez esperar muito, dois meses depois lá estava ela, a comunicar-me que eu, infractora, incorria numa possibilidade de coima entre os € 50,00 e os € 3.740,00.

Vamos fazer um pequeno resumo dos acontecimentos:

1 - Pessoa adopta cão subnutrido e arranca-o do corredor da morte

2 - Pessoa respeita indicação de veterinária e decide compor a fisionomia do cão antes de o martirizar com picadelas várias

3 - Pessoa entra em pânico porque vê que o cão fugiu, vira a cidade ao contrário e, com sucesso, recupera-o

4 - Pessoa leva cão para casa pagando tudo quanto lhe cobram, acede a deixar que o cão seja picado, ainda que magro demais para isso, só para garantir que nada daquilo voltaria a acontecer

5 - Pessoa recebe carta a informar que fez tudo mal e, por isso, tem de pagar uma multa.

Este país deixa pessoas abandonarem animais na estrada, aceita que as pessoas se recusem a ir buscar animais, após leitura de chip, não tem moldura penal para quem maltrata animais. Eu, porém, podia vir a ser multada.

Em Junho lá fiz chegar à DGV a minha defesa, devidamente suportada por documentos da veterinária e da associação de animais que nos levou a conhecer D. Cão.

2009 chegou ao fim. 2010 apareceu. E acabou. Logo veio 2011, que também passou. Mudou o governo. Da DGV nada. Chegou 2012. Hoje, 3 anos e mais ou menos dois meses após eu ter apresentado a minha defesa aos senhores da DGV, a resposta. 6 páginas de uma missiva cheia de palavras rebuscadas, acentuação errada, pontuação mal aplicada, decretos de lei que não acabam, o veredicto...

Fui ADMOESTADA. Assim, em maiúsculas. A DGV mandou-me uma carta, enorme, com uma ADMOESTAÇÃO. O cão, esse, infelizmente morreu no Verão de 2010. Com um peso razoável, sem medo de barulhos estranhos, e após destruir várias portas e armários em noites de trovoada, D. Cão não resistiu a uma torção gástrica. Era um tonto que vivia feliz, jogava à bola e brincava com tudo o que caía ao chão. Custa-me ter uma carta que, três anos depois,  me ADMOESTE e que dite uma acção negligente da minha parte. Custa-me, também, que haja por aí tanto bicho a ser abandonado, maltratado e negligenciado e que recaia sobre mim um processo, agora arquivado, que leva alguém a escrever uma ADMOESTAÇÃO (assim, em maiúsculas) de 6 páginas, no âmbito do mesmo.

Em tendo tempo, digitalizarei o documento, vão ver que é um prazer ler tal obra literária. Até lá, fica a minha indignação.  

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Ao contrário da maior parte das pessoas, não vou pôr-me com falsas modéstias: sou gira, sou inteligente, sou interessante. Mas também sou Má... como todas as mulheres, não é? Como perceberão com as leituras, e como este é um reflexo de mim, naturalmente tenho um blog bipolar!

 

Algo a dizer? BAD MAIL

badgirlsgoeverywhere (arroba) gmail.com

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D