Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Importa esclarecer!!!!

por Bad Girl, em 25.03.08
A foto é minha. O rapaz é património dominicano...

Este senhor e este rapaz não são a mesma pessoa. Havia muito por onde perder a atenção naquela terrinha... Até entre os locais, aqueles que eram maioritariamente chatos e assediadores, havia lugar a uns assim mais... como este...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Teaser para o próximo webisódio...

por Bad Girl, em 24.03.08
A publicação desta foto foi devidamente autorizada pelo proprietário do corpo em exposição. Também, vaidoso como ele é...

E perguntam vocês:
E havia lá algum Personal Trainer de Pilates a passar férias, coitadinho!, sozinho?
E respondo eu:
Ah, pois havia.
E perguntam vocês:
Então e esse PT tinha tatuagens nas costas que quase parecia o gajo do Prision Break?
E respondo eu:
Ah, pois tinha.
E perguntam vocês:
Então e esse PT deu-vos alguma aula privada de Pilates?
E respondo eu:
Fod@-se, que curiosos!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Instantâneos de Punta Cana

por Bad Girl, em 24.03.08

Depois de uma tarde relegada para segundo plano por causa de um fantástico par de olhos azuis, a quase enciumada J. (aka G. I. Jane, desde que decidiu ter uma identidade no Blogger) quis armar em paparazzo e saber detalhes:
- Com que então, amigo novo... que rica conversa, foste ao Bar e estiveste ali mais de duas horas só com o rapaz...
- Sim, é simpático.
- Simpático? O gajo é lindo!!!! Não sabia que se faziam desses nos States.
- Não é nos Sates, é no Canadá.
- Hummmm... Canadá... Mas é um bocadinho novo, o miúdo, não é?
- Vinte e três...
- Vinte e três? Ah, ah, ah... Tu deves estar louca. Acreditaste nisso?
- Não. Mas fiz de conta.
- Porquê?
- Porque ele também fingiu acreditar que eu tinha vinte e cinco...
- Sabes o que quer dizer "carcel"?
- Não...
- Mas é bom que saibas, que por este andar ainda vou ter de te ir lá visitar...

Pequena observação: não só pelos olhos daquele "gato", mas por tudo o que havia à volta deles, esta é uma das poucas boas razões que eu encontrei na minha vida para ir parar "a la carcel"...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Blogonovela - A vida nas Caraíbas

por Bad Girl, em 23.03.08
Foto by Bad Girl

Webisódio 1:
Já dizia o anúncio: se nas Caraíbas se levasse a vida tão a sério como no resto do Mundo...

Não foi nem 24 horas depois de termos aterrado em solo caribenho, que percebemos o que até poderia ter sido óbvio ao ver o avião repleto de mulheres acompanhadas por outras mulheres: ir à República Dominicana significa, na maior parte dos casos (e ao que parece), tirar a barriguinha (ou outra qualquer parte da anatomia) de misérias. Os locais não querem deixar créditos por mãos alheias, e lá vão assediando tudo o que mexe da melhor maneira que conseguem. Os rituais de sedução são tão avançados quanto eles conseguem, e por isso não estranhamos abordagens do género: "Ah, e tal, querem comprar uma excursão a não-sei-onde? Não... oh, que pena. Vocês sabem que os dominicanos têm um trabuco muito grande?" Ao segundo Don Juan de trazer por Punta Cana que nos apareceu à frente, já eu dizia que só sabia falar português. Mas, não surpreendentemente, eles também têm um "truque" na manga para as portuguesas, que é a frase que todas as mulheres esperam ouvir da boca de um auto proclamado "monstro sexual": "Ah, Portugal! Batatas com Bacalao!". E ficam à espera que nós lhes caiamos nos braços como donzelas afectadas pelo calor.
Esta donzela tem resistência ao calor que chegue para não cair em tentações destas.

Mas não é disso que quero falar neste primeiro webisódio [este será um tema a desenvolver num outro dia]. Quem viaja em "desespero de causa" não procura necessariamente encontrar conforto nos braços (e outros atributos) dos locais. E foi isso que aconteceu com uma menina que lá conhecemos. Espanhola, com tudo o que isso quer dizer, a jovem divorciada não tardou a conhecer um quase conterrâneo mal chegou às terras quentes das Caraíbas. Digo quase porque a dita mora em Málaga, e o rapaz nas Asturias. Ainda é longe. Mas à partida isso não deveria importar. Até devia ser considerado um plus. Mas uma semana naquela terra e parecia que tínhamos sido arrastadas (a J. e eu), para um episódio do Big Brother. Significa isto que ao fim de dois dias já conhecíamos 50% do resort, já fazíamos parte de um grupo, e já observávamos de bancada todos os acontecimentos. E já havia "casos"...

Alguém me explica como é que alguém, que até já foi casada, vai uma semana para a República Dominicana, conhece um gajo que lhe interessa, anda toda a semana a "pôr tijolinhos" [expressão de grande importância para descrever todo um ritual, que passará a ser utilizada com frequência cá para estes lados] para dormir (ou não. Considerem isto uma liberdade poética...) com ele na última noite dele lá (duas noites antes de ela ir embora), e despedir-se dele num desespero testemunhado por um choro copioso, complementado com baba e ranho, como se estivesse a ver o homem da vida dela partir para a guerra? Mas esta gente está louca? A J. e eu não parávamos de rir, de cada vez que as amigas novas (malta do grupo no qual nós nos infiltramos) a consolavam e se mostravam condescendentes com a sua dor. Mas que dor, minha gente? Ela chorava copiosamente a partida de um gajo que mal conhece e o resto das gajas passava-lhe a mão pela cabeça? Mas onde é que esta gente deixou a nave espacial estacionada, explicam-me?
Ai, ai, ai que isto começa bonito....

Autoria e outros dados (tags, etc)

As três melhores coisas do Mundo

por Bad Girl, em 12.11.07

Hoje, em conversa com o meu amigo T., discutíamos as três melhores coisas do Mundo.
Se bem me recordo, eram o whisky e os cigarros. Acho que havia qualquer coisa pelo meio, mas agora não me lembro.
Vou sair com o J.B., e aproveito para ver se refresco a memória.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Conversa do dia...

por Bad Girl, em 01.11.07
... traz de volta J.B., esse personagem que foi deixado a "marinar". Mas apenas na blogosfera... na vida real ele continua a aparecer. Em participações especiais, já não como protagonista. Para esse lugar ainda estamos a fazer castings. Mas ele está a ser considerado.

H. pergunta: - O J.B. sabe do teu blog?
Bad - Achas que sim?
H. - Sei lá... Podia saber! Porque não?
Bad - Porque se queremos ganhar um jogo de cartas não mostramos a nossa mão ao adversário, mostramos?

Quanto aos comentários, não desisti. Apenas protelei para poder escrever. Afinal, é mesmo uma necessidade...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Blogonovela "A madrinha perfeita"

por Bad Girl, em 18.10.07
Webisódio 1 - As águas rebentaram!!!!

Pela segunda vez em menos de uma semana, na terça-feira passada fui dormir (ah! ah! ah!) a casa da "comadre". O trabalho do pai da criança em Viseu obrigou-o a deixar mãe e futuro rebento em casa. A madrinha top que eles escolheram, não podia deixar a coisa por isso mesmo. Da primeira vez fui lá dormir com algumas certezas: a criança ia nascer e eu não ia pregar olho. Evidências? A única cientificamente provada: a lua mudava nessa noite. Estranhamente, este facto não foi suficiente para levar este evento avante. A criança não nasceu. Teve algumas agitações durante a noite, mas nada de marcante. Na terça-feira passada, e tendo em conta que a lua não mudava, eu fiquei mais descansada: ia voltar à pequena cama da F., e dormir novamente acompanhada pelas fadas do edredon. Está bem que a miúda tem nove anos, mas aquilo é muito "pink". Até para mim, que sou uma "pink lady". Bem, mas mais à frente, vamos passar ao relato dos eventos da noite, a partir do momento em que eu cheguei a casa da "comadre" e dei de caras com ela enrolada no roupão. Ora se fosse eu, tudo bem. Eu sou friorenta. Mas a "comadre" não. Essa sofre de calores em estado normal, e considerava qualquer ambiente com mais de 19ºC uma sauna, desde que engravidou. Algo me disse que qualquer coisa ia dar para o torto naquela noite. Mas disse-o tão baixo, que eu não ouvi...
Estava tudo normal. O puto não se mexia por ai além, a mãe estava bem disposta, e lá fomos dormir que o dia seguinte era dia de trabalho para esta madrinha super-profissional.
Lembro-me de ter dito:
- Se precisares de alguma coisa durante a noite, chama-me.
Não achei que isso fosse acontecer meia hora depois, quando eu ainda dava voltas na cama para tentar perceber como tinha conseguido lá dormir cinco dias antes...
Toc, toc, toc (isto era ela a bater à porta)
- Bad, estás a dormir?
(Agora que penso nisso, pergunto-me como seria se eu nada tivesse dito e fingisse que estava mesmo. Ela voltava para a cama???)
- Não. Precisas de alguma coisa? (tipo um chá, uma água, um parto????????)
Ela abriu a porta, e lá respondeu, a medo:
- É que me rebentaram as águas...
Bad, a pseudo-ginecologista, aquela que toma como evidência a mudança da lua como causa directa dos bebés nascerem (mas que já não acredita na cegonha), a sonhar com uma noite descansada (que não passava por uma bela noite no Hospital) responde:
- Tens a certeza que isso não é chichi?
(por favor, não comentem)
Ela acende a luz. Mostra-se completamente molhada. Eu perco o sono, levanto-me da cama, e digo imediatamente:
- Vamos lá para o Hospital, o que é que é preciso fazer?
- Vou ligar para a parteira.
Mas antes ligou para a mãe. Faltava pouco para a uma da manhã, quando tínhamos já montado o gabinete de crise. Pai da criança acordado e alerta, avó a vestir-se, dois prédios ao lado, parteira a ser acordada de repente. Diz-lhe para pôr uma toalha na cama. E que esteja no Hospital às seis da manhã. Ainda não tinha acabado de contar o número de horas que ia conseguir dormir, e já a parteira ligava outra vez. Desta, já acordada, e cheia de ideias novas. Que passavam por ir buscá-la ao cu de Judas e ir directa para o hospital. A história das seis da manhã soava-me muito melhor. Vesti umas calças de ganga n. 38, uma camisola larga (da grávida), e lá fomos nós. Claro que, ainda antes de sair de casa e no meio do stress, eu lá exigi que ela levasse umas toalhas para pôr no carro. Sujá-lo com "águas rebentadas" é que não!!!
Claro que a coisa podia ter sido diferente. Não fosse a parteira morar num sítio chamado "Formiga", lá para os lados de Ermesinde, e eu ir ao volante. Assim sendo, perdemo-nos. O que dá sempre jeito, quando temos uma grávida em trabalho de parto ao lado, e uma santa terra por onde Deus se esqueceu de passar, totalmente deserta àquela hora da noite.

E pronto, por agora chega. No Webisódio 2, teremos um relato relativamente preciso e moderadamente exagerado da chegada ao Hospital e do nascimento do menino mais lindo do Mundo. Que, claro, é meu afilhado. Curioso... Não é que a menina mais linda do Mundo é a minha sobrinha? Isto há coisas muito mal divididas neste planeta...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Telegrama

por Bad Girl, em 18.10.07

Madrinha que é madrinha, está lá quando as águas rebentam, vai buscar a parteira para correr para o hospital, assiste ao parto e pega no afilhado em segundo lugar (logo a seguir ao pai). *

Cá para mim, vamos ter nova Blogonovela... "A madrinha perfeita". Caso não tenham reparado, estou a falar de mim...

A mãe está em casa, a avó de dieta, o afilhado lindo de morrer... estamos a voltar aos eixos! Volto em breve!

*indecentemente auto plagiado de um sms que eu própria enviei ontem a alguém especial. Adaptação livre para formato de post feita pela autora.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Blogonovela - actualização

por Bad Girl, em 20.09.07

Lá porque não estamos a transmitir a segunda série não significa que não estejamos a gravar alguns episódios. Depois de uma pausa para (minha) digestão do episódio 5, reunimos novamente o elenco. Estes são, contudo, aqueles episódios de "encher chouriços". Nada de novo no enredo. Pelo menos que mereça ser contado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Alguns esclarecimentos sobre a Blogonovela

por Bad Girl, em 12.09.07
(Se isto fosse um DVD, esta era a parte dos extras)

Muito se tem dito e escrito sobre a trama "Rainha de audiências" deste blog (vá, eu sei que não é assim tanto, mas caramba, a girl can dream. Even if she's a bad girl. Não só com comentários, mas também via e-mail e chamadas telefónicas curiosas/ incrédulas/ perdidas de riso...
Quanto ao episódio 5 e aos comentários que dele advieram, cumpre esclarecer, apenas para desconstruir:
1 - Há 3 equipas da primeira liga no Grande Porto, e nunca referi a qual pertence o JB.
2 - A história da caneta é muito boa, mas não é nova. A primeira vez que fiz isso foi a uma colega de trabalho, vai para 3 anos. Ela era bem burra, como devem imaginar (achava que agnóstica é uma pessoa que não bebe álcool e que a Sonae era MESSIAS da Casa da Música). Um dia falei sobre publicidade subliminar, ela disse que eu tinha engolido o dicionário, e eu dei-lhe uma caneta. Achei por bem repetir a façanha mais vezes, mas esta foi, definitivamente, a que me soube melhor.
3 - Quanto à atitude aparentemente calma, não passa de fachada. Normalmente nestas situações a primeira reacção que tenho é não ter reacção. Este tipo de coisas, quando me acontece (e não é a primeira vez, acreditem), dá-me uma sensação de abandono do corpo. Por breves instantes fico a observar tudo de fora. Quando volto a mim, começo a pensar racionalmente (eu sou um ser mesmo muito estranho...). Claro que não tenho sangue de barata e a coisa tem de ser dita. Até me passo às vezes. Mas sempre com subtileza. A minha nota na disciplina de Gestão de Crises não foi 19 por acaso. Aprendi que, num escândalo, quem grita e agita os braços normalmente é quem fica mal...
4 - Sim, eu dou muito ênfase à história. Podia resumir tudo em 3 alíneas e tudo ficaria contado na mesma, mas não sou assim. Desde pequena que conto tudo com requintes de pormenor. Quando chegava a casa e contava coisas à minha mãe (mudava a voz, a expressão, os gestos) , ela costumava dizer que só não conseguia sentir o cheiro da narrativa. Teatral, se quiserem.
5 - Se acham a minha vida esquisita e com rasgos cinematográficos, vejam lá estas (um dia que não tenha assunto, desenvolvo):
- Tenho um amigo que vai a casa da ex-namorada ao fim-de-semana e ela põe-no a passar a ferro. Razão do fim do namoro: ela começou a namorar com o melhor amigo dele...
- Tenho uma amiga que teve de ter seguranças na porta da igreja no dia do casamento por causa da ex dele...
- Tenho um amigo que foi assediado pela mãe da namorada e cedeu. A namorada descobriu e perdoou.
- Tenho um amigo que, durante 12 anos, viajava 2 semanas por mês. Despediu-se para passar mais tempo com a esposa. Ela saiu de casa e pediu o divórcio.
- Tenho uma amiga cujo ex-marido (antes de ser ex) se enrolou com outra. Quem descobriu o caso foi o pai dela. Duração do casamento? Oito meses.
E isto são só os amigos. Imaginem as histórias que ainda tenho na manga sobre pessoas conhecidas....

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Ao contrário da maior parte das pessoas, não vou pôr-me com falsas modéstias: sou gira, sou inteligente, sou interessante. Mas também sou Má... como todas as mulheres, não é? Como perceberão com as leituras, e como este é um reflexo de mim, naturalmente tenho um blog bipolar!

 

Algo a dizer? BAD MAIL

badgirlsgoeverywhere (arroba) gmail.com

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D